fevereiro 08, 2011

Mudar de vida: o primeiro aniversário

Há precisamente um ano eu sentia que algo estranho se passava comigo mas não sabia o quê. Era o primeiro dia da nossa a vida a dois (a três, se contarmos com os últimos dias da minha irmã na nossa casa; a quatro, se pensarmos na nossa pulguinha) e tinha a sensação de que o resto da minha vida estava a começar ali mesmo. Mal sabia eu que não podia estar mais certa!

Há um ano atrás, fiz o primeiro teste de gravidez ( e digo primeiro porque não acreditei nos primeiros resultados e precisei de confirmar que o Vicente vinha mesmo aí) com aquele a que hoje chamam de meu marido e com a minha irmã, ambos excitados com a ideia e a tornarem os momentos de suspense ainda mais angustiantes. Quando vi o resultado, os meus sentimentos dividiam-se entre as náuseas que adivinhavam já os meses que se iriam seguir, a incredulidade, o pânico de imaginar a gigantesca responsabilidade de trazer uma criança ao Mundo e, acima de tudo, a extrema felicidade de saber que tinha gerado Vida com a minha pessoa. Nessa noite, mal dormi a pensar e a sentir uma avalanche tão grande de emoções contraditórias, enquanto o meu corpo trabalhava já incessantemente para fazer crescer aquele pequeno feijão. Ao contrário de muitas mulheres, não soube desde logo que estava grávida, o meu sexto sentido não estava a funcionar. E apesar de ter uma relação feliz e estável, de achar que teria ao meu lado o melhor pai do Mundo, de ter uma família que iria torcer por mim, eu sentia-me paralisar com medo.

Queria dizer a toda a gente mas, ao mesmo tempo, proteger este segredo tão precioso de olhares e opiniões alheias. Queria mostrar a minha felicidade ao Mundo mas, simultaneamente, achava que poucos eram merecedores de partilhar comigo esta imensa felicidade. Não me vou esquecer das botas que comprei nesse dia, das caras de alegria do pai e tia do Vicente, da maneira desajeitada e quase infantil como contei à minha mãe. E lembro-me de tudo hoje, depois de ter tido o ano mais feliz, incrível e difícil desta minha vida, enquanto o meu filho dorme a sesta tranquilo no seu quarto. E encho-me de saudades do tempo em que ele era um mistério para nós e penso que - talvez um dia - havemos de repetir a experiência!

7 comentários:

Rosa disse...

Tão bom ler-te :)

aryabodhisattva disse...

E obrigada por partilhares o que partilhas. Gostamos dos pormenores sobre o bonitão bebé V.
Além disso, para *algumas* pessoas este blog contém indicações valiosas no caso de maternidade súbita. :P

sophie disse...

Que os próximos anos tenham muitas coisas boas, e que as mais dificeis sejam ultrapassadas com força e determinação... E sempre com os sorrisos do Vicente!
Muitas Felicidades...

Helena Barreta disse...

Muitas felicidades, muitos momentos de puro prazer e risos, descobertas e o amor sempre a crescer.

Beijinhos

P. disse...

"não queiras ir fazer um teste de gravidez, que não é preciso"

palavras sábias de uma tia que já estava a adivinhar um vicente gordão e lindão *corações*

Anónimo disse...

E a partir desse dia tudo mudou para melhor (tudo mesmo)...
Beijinhos, F.

Moka disse...

"Time flies when you're having fun "..:)
Foi muito bom poder assistir dia após dia ao crescimento da barriga da mãe do Vicente..:D
Foi das melhores notícias que recebi no ano de 2010!!Baby V...o puto indie do futuro...:))

Beijinhos..Stay happy!!
Moka :D