agosto 15, 2012

Saudades de 2000 e poucos

Houve um tempo (digamos há uns oito anos atrás) em que havia blogs verdadeiramente genuínos escritos por gente normal e com muita graça (lembro-me, entre outros, deste e deste). A maior parte deles foi ficando esquecida pelo caminho, por falta de tempo dos autores, por falta de público que os lesse, ou por outras razões quaisquer. Ri-me bastante com estas pessoas que construíam personas tão divertidas, tão cuidadosamente imaginadas, pioneiras nessa coisa de se dizer o que se pensa sem que a opinião dos outros importe. Era tudo gente que escrevia bastante bem, aposto até que se calhar até perteciam a um mesmo círculo de amigos ou de conhecidos - eram os bloggers que eu admirava por me faltar essa criatividade.

Depois, a coisa evoluiu e até se democratizou. Hoje em dia muita gente tem um blog, algumas pessoas já são trend setters à custa das visitas que recebem diariamente, há muitos, muitos wannabes. Mas sinceramente já há poucas pessoas que me interessem ler. O que eu sempre procurei na blogosfera foram janelas para outras vidas, pessoas que escrevessem bem, que fossem interessantes (e nisto pode caber quem fale dos filhos, de música, de viagens, de livros, da televisão e do Mundo em geral). Fico sempre fascinada com pessoas que sabem relatar a sua vida com algum recato, sem procurarem ter a vida dos outros, conseguindo trasmitir a sua maneira peculiar de ver o Mundo.

Isto tudo para dizer que tomei hoje a decisão de deixar de ler alguns blogs porque já não suporto a publicidade misturada com um pouco de hipocrisia (ah eu recebo os produtos mas sou livre de dizer que não gosto...), já não suporto a ausência dos conteúdos que lhes conseguiram a popularidade, já não suporto a superficialidade daquilo tudo e as caixas de comentários a rebentarem de fel. Sinto algumas saudades do tempo em que as estatísticas, as opiniões, a moda, as discussões sobre o dinheiro que se ganha e se gasta não eram os temas principais. Sinto pena por ver cada vez mais blogs nascerem e crescerem à sombra de da imagem de outros, de ver as pessoas a aspirarem apenas a serem importantes, o que quer que isso seja. Não perdi totalmente a fé porque há sempre gente com ideias, com bom gosto, com vidas com menos glamour mas com mais substância, gente que me embala com a sua escrita. Eu só decidi não ler mais o que notoriamente me irritava mais do que agradava e assim deixo de ter que lidar com toda essa decepção. Uma pessoa até se sente mais leve!

1 comentário:

ann.dorinha disse...

Chateia também esta moda que existe por aqui, na blogosfera, de criticar tudo o que os outros escrevem e fazem, como se ninguém pudesse ter escolha e opinião própria, como se fosse uma calúnia falar disto e daquilo e mostrar o que se quer.Chega a ser irritante.
Falo disso no meu último post.