maio 30, 2017

Um elogio da mediocridade

(Este post é inspirado neste artigo, que descobri através deste blog. É incrível como nos últimos tempos tenho encontrado pessoas que exprimem na perfeição os meus próprios dilemas.)

Depois de um período de alguma ansiedade, limpei das minhas redes sociais aquelas pessoas/contas que me faziam sentir uma péssima mãe/mulher por não conseguir ser perfeita. Os miúdos perfeitamente vestidos e comportados, a casa perfeitamente decorada e limpa, as refeições perfeitamente planeadas e saudáveis, as viagens perfeitamente organizadas - a pressão era demais. Mas a culpa nem sequer é dessas pessoas que fazem tudo parecer simples e atingível - a pressão é, em último caso, auto-imposta e por isso só eu tenho a chave para me desfazer dela.

As viagens de avião são um belíssimo exemplo de como as nossas expectativas e a possibilidade de concretizar os nossos desejos mudaram nos últimos 10, 20 anos. Lembro-me de ser adolescente e as viagens de avião eram uma coisa séria. Não estavam reservadas para o comum dos mortais, muito menos à classe média em que sempre vivi. Custavam, muitas vezes, centenas de contos e não nos faziam sonhar que era possível ir a todo o lado. Hoje em dia, todos sabemos, viajar de avião pode mesmo ser mais barato do que viajar de carro. O incoveniente de ter de voar é largamente suplantado pela vantagem de demorar muito menos tempo. Hoje parece que podemos ir a qualquer lado no Mundo. E não é exactamente verdade, muito mais quando se pensa que agora somos uma família de cinco (quatro bilhetes de avião completos, a multiplicação dos quartos de hotel, as mesas nos restaurantes...).

Mas não são apenas as viagens. Hoje parece que é proibido não ambicionar a ter a vida perfeita. Hoje parece que somos obrigados a inscrever os miúdos em mil actividades, a ser uns pais sempre pacientes e positivos, a comportarmo-nos como dois miúdos apaixonados mesmo que no final do dia só nos apeteça fechar os olhos e dormir, a termos sucesso nas nossas profissões, a encontrarmos a profissão ideal para "nunca mais trabalharmos um dia na vida", a termos o último modelo da moda, a viajarmos para os sítios mais incríveis, a comermos nos sítios mais in. Desejar menos que isto é sermos um extraterrestre, uma anomalia de feeds de amigos e de notícias.

Não quer isto dizer que eu não tenha ambições. Ou que não deseje o melhor para mim e para a nossa família. Simplesmente, acho que o segredo é adaptar as expectativas à realidade e àquilo que podemos realmente alcançar.  Para mim, a escolha é entre isso e ter de viver na frustação  de não conseguir  acompanhar as últimas tendências. É conhecer as nossas limitações e continuar a sonhar mas com os pés bem assentes na terra. É não ter medo de não ter uma vida espectacular e aprender a apreciar a nossa vida enquanto ela acontece, porque é essa a nossa riqueza. Sem salas perfeitas, sem a última novidade em brinquedos, sem aquela tosta de abacate que é o último grito da alimentação, sem frases feitas e com muita, muita imperfeição. Com as refeições que não merecem ser fotografadas, com os gritos que às vezes damos aos miúdos, com tupperwares que valem mais do que bonecas, com passeios em que o principal objectivo é mantermos a nossa sanidade, os cinco dentro do carro.

Se eu tivesse que subscrever um manifesto, seria por bebés que crescem mais ou menos depressa; por vidas que às vezes são difíceis mas sem artifícios; por filhos que não dormem a noite toda; pelos copos de vinho que me apetece beber; pelos livros que consigo ler às mijinhas com uma espécie de laterna para não acordar o bebé; pelo monte de roupa que se acumula à espera da triagem ou simples arrumação; por todas as sestas que ficam por dormir; pela sensação de que, a cada filho, a maternidade fica mais fácil; pelas birras sempre irracionais e dramáticas; pelas cólicas e perguntas difíceis; pelos pais que às vezes discordam mas no fim se entendem; pelos momentos em que estão os três a gritar/chorar ao mesmo tempo; pelos pesadelos e xixis a meio da noite; pela erva do jardim que não se corta sozinha; pelas chuchas que se perdem dentro de casa; pelas obras no vizinho que acabam com as sestas (que já de si eram complicadas...). A nossa vida muitas vezes é chata e sem glamour mas, garanto-vos, nunca, mas nunca monótona!

4 comentários:

м♥ disse...

Não sou mãe, não posso aplicar isto a esse lado da minha vida, mas compreendo perfeitamente esta sensação de "e se não me apetecer ser perfeita?". É que agora parece que todos temos que ambicionar as mesmas coisas, temos que querer ser mais e melhores... Então e se eu estiver perfeitamente satisfeita com a minha vidinha monótona, sem viagens, sem casas perfeitas, sem alimentação sempre saudável, etc? Não me posso simplesmente contentar com a vida feliz que já tenho sem isso tudo? Parece que, se nos contentamos com isso, somos seres sem ambição, sem sucesso.

Esta coisa das redes sociais, em geral, faz-nos sentir cada vez mais pequenos, mais pobres, mais imperfeitos, na comparação com os outros (que mostram só aquilo que querem, claro).

angela disse...

tb nao sou mae, mas comprrendo essa pressao do "keeping up with the joneses"...as vezes, eh mesmo preciso desligar e viver a nossa vida o melhor que podemos e sabemos (ninguem vem viver por nos, pagar as nossas contas, sentir as nossas dores...). Os outros podem ser uma inspiracao, mas quando comeca a ser ditadura...eh tempo de largar cargas...

Dalma disse...

Querida, a blogosfera é um poço de mentiras! Nela podemos escrever o que entendemos, ninguém vai verificar! A maioria desses blogs, facebooks só servem a vaidade de quem os escreve...
A tua família é uma família feliz e onde tudo o que descreves é absolutamente normal (fala a experiência entre a minha chegada a Portalegre e a saída dos filhos para a Universidade. Tb eram 3!)
Bjis

Helena Barreta disse...

Faz-me muita aflição este culto da vaidade, os egos inflamados com selfies e vidas para os outros verem, para aplaudirem e imitarem, o terem em detrimento do serem. Mas o que mais me intriga é haver quem siga estas vidas fingidas e viva isso como se fosse lei, embarcam em tudo.

Bom fim-de-semana.