junho 05, 2011

Votar (nos dias que correm)

Eu não sou propriamente a pessoa mais comprometida com a política e com a mudança. Não simpatizo particularmente com nenhum partido mas posso dizer que o meu coração pende para a esquerda do espectro partidário. Nunca me envolvi em nenhuma campanha, não sou filiada e estou, no fundo, tão desiludida como o resto da população votante. Mas mesmo assim, mesmo depois do circo em que se tornou a vida política nos últimos meses, custa-me a entender um número tão elevado de abstenção (previsões até aos 43%).

Posso não ser propriamente uma cidadã muito envolvida e até muitas vezes de costas voltadas para a política mas ainda sinto que estou perante um momento solene quando, na sexta mesa de voto da Lapa, me vejo perante um boletim de voto. Sinto que faço parte de algo muito maior e, por momentos, sinto também que o meu singular voto pode fazer alguma diferença. E é por isso que gosto de ir votar, apesar de desconfiar de qual vai ser o resultado destas eleições. Acima de tudo, gosto de deixar a mesa de voto com a sensação de dever cumprido, com a legitimidade de criticar as escolhas e as decisões de quem vai estar à frente do nosso país nos próximos anos.

Eu entendo que o nosso país está completamente enterrado numa dívida que não foi provocada por nenhum de nós, pessoas normais, contribuintes (cumpridores ou não) mas antes por quem, à custa destas mesmas pessoas, tomou decisões para seu próprio proveito, ignorando os mais básicos fundamentos da democracia e usando o poder para dele obter dividendos pessoais. Só por isso é que entendo o desencanto brutal em que vivemos e que afasta as pessoas dos políticos e, mais importante ainda, das urnas. Não é possível alguém ainda hoje votar e ter a sensação de que o país vai ser bem entregue. Só que acho que ficar em casa, votar em branco ou votar nulo também não vão ajudar a alterar este cenário de crise profunda em que vivemos. E acho que a situação é tão grave que estas pessoas nunca mais deviam abrir a boca para falarem sobre o que quer que seja. Mas infelizmente, e como é costume, serão as primeiras a fazerem-se ouvir. E, a somar a isto os resultados que aí vêm, já se entende a vontade que uma pessoa tem de emigrar. Uma pessoa bem tenta pensar diferente mas o que aí vem não pode ser bom.

9 comentários:

Joana Real disse...

Concordo com tudo o que dizes, excepto com a parte em que aqueles que não votam são os primeiros a falar mal!! Eu não fui votar (e acredita que tentei com o novo metodo para pessoas que por alguma razão não se podem deslocar, mas qd fui tratar disso estava em cima do prazo e a qt de papeis era tanta que não consegui) mas tambem nunca me tens ouvido queixar, não vou a manifestações...ou seja, para mim, quem cala consente!! é verdade que este pais está uma merda, mas não é só votando que lá se chega. No dia a dia se as pessoas tivessem outra atitude talvez as coisas estivessem um pouco melhores...o dia de voto é um dia com mais peso nesta balança mas todos os outros tambem deviam contar mais do que contam.

Por isso digo (não especificamente a ti, que não é o caso) que apesar de não ter ido votar me sinto de consciencia tranquila...ao contrario de qq um que hoje poderá ser eleito, eu cumpro aquilo que prometo...

Mas pronto...vou voltar ao trabalho que é para isso que me pagam (com dinheiro do estado e da união europeia) e para o ano estou sem bolsa, e falida e mesmo assim vou tentar continuar ficar no pais a fazer investigação!!!

Bjs e rock on :D:D

mp disse...

Eu fui de propósito votar à mesa de voto lá da terra, mesmo tendo isso significado 100Km, 10€ de gasóleo e 4 horas a menos que vou ter para terminar esta bendita tese que tem como deadline amanhã... sou defensora da democracia e acredito piamente que este é o caminho certo, que o processo eleitoral funciona, mas que as pessoas têm que saber tirar partido dele.É verdade que demorei pelo menos uns 5 minutos na cabine, sem saber em quem votar...Mas votei.

Na minha opinião, quem não vota desonra todos aqueles que pereceram a lutar pelo direito de voto. (desculpa Janeca, mas neste ponto não estamos de acordo)
Não mudamos o país não nos interessando por ele. Deixando-o nas mãos de filhos da mãe que só lá vão encher os bolsos.
Acredito que com movimentos de cidadãos a concorrerem nas eleições ao invés de só haverem políticos de carreira que nunca fizerem nada na vida; que educando a população sobre os seus direito e deveres e sobre o facto deste país ser mesmo nosso e de podermos muda-lo se assim entendermos; que com demonstrações pacíficas e esclarecidas...podemos tornar Portugal num país melhor. E não, isto não é utopia... espero viver para ver o dia em que os portugueses acordam para a vida e colocam os responsáveis pela dívida na cadeia e colocam gente de jeito a representar-nos.

Envergonha-me mais pensar que houve mais gente a ver o jogo de Portugal com a ...(outra equipa que não me lembro) do que o número de pessoas que foram votar.

Conheço duas pessoas que não foram votar, porque isso significava 90€ em viagens e muito tempo despendido e isso compreendo...mas ... a abstenção para mim não faz sentido.

Beijinhos

Joana Real disse...

qd tivermos "cidadãos a concorrerem nas eleições ao invés de só haverem políticos de carreira que nunca fizerem nada na vida" ai eu esqueço os 80 euros (em média o que gasto a ir um fds a casa) e vou votar...até lá agradeço a todos aqueles que lutaram para "nós" podermos ter uma palavra a dizer.

Acho que fizeste muito bem em ir votar, se era essa a tua vontade. tb conheço pessoas que vieram de propósito de França para o fazer, mas não será certamente essa razão que me levava a ir votar!! Mais depressa ia se os votos em branco tirassem lugares na assembleia!!
tentei e não consegui por uma questão de tempo...

mp disse...

sim...entendo perfeitamente o que é estar deslocada e ter mais que fazer ao tempo e ao dinheiro do que ir votar, principalmente quando ainda por cima se tenta arranjar forma de votar mas todo o processo demora milénios (como qq outra coisa no país para ser feita)...ainda para mais tendo em conta que já sabemos à partida o resultado das eleições. Fosse um ou outro tanto fazia... nenhum é bom! Mas o que me lixada é que há muita gente que não vai votar, simplesmente porque sim...porque não estão para se dar ao trabalho...são esses que me custam...acho que o voto é a nossa única voz e infelizmente o portugal das boas ideias e pessoas está mudo :(

M. disse...

Pois Janeca, eu até percebo essa da deslocação e do tempo mas a questão é que, se quisesses mesmo participar, talvez pudesses não ir a casa noutros fds ou tentar o voto à distância mais cedo. Eu não critico as razões, só acho pena que votar já não valha os nossos sacrifícios nem nos faça sentir empolgados por poder fazer alguma coisa pelo nosso país.

Helena Barreta disse...

Tirando um caso ou outro, penso que o não ir votar é mais um sinal do tão lamentável pensamento lusitano do "deixa andar" ou "quero lá saber disso".

Fui votar, ainda que não soubesse muito bem em quem, mas fui e votei em consciência.

Joana Real disse...

Eu percebo Marisa, mas trocar um fds por este para ir votar implicava, trocar por exemplo o da Páscoa, ou o proximo que irei apenas em Julho...não fui o anterior nem irei o proximo, estou 3 meses sem ir a casa!!! Não me queixo, nem disso, nem de tudo o resto que os bolseiros se queixam, porque no dia que me quiser queixar é no dia que voto e que penso em fazer vida fora daqui...

é por isto q adoro discutir tudo menos: politica, touradas, religião e vá sobre o tempo...:D

Anónimo disse...

Querida, não é para comentar o teu "post" que aqui estou, mas apenas para te dizer que já regressei à Pátria, ao Alentejo e ao Areeiro!
Não sei se já viste que tenho nova morada, serás muito bem vinda a ela.

www.noareeiroeporai.blogs.sapo.pt

Pelo que li o Vicente continua crescendo e pelos vistos a gostar da praia.
beijinhos da tua professora

aryabodhisattva disse...

Votei um pouco ao acaso. Não sei a que é que isso me dá direito, e se não teria tido mais valor votar nulo/branco ou abster-me.

Já agora, também fiz uns quantos km para votar. Mas a minha mãe tinha à minha espera bifes e gelado. Não sei se isso não me torna numa daquelas pessoas que só se deslocam à urna se lhes derem um chouriço. :p