fevereiro 26, 2015

Amália

O teu avô V. tinha razão quando disse que havias de chegar com a mudança de lua. Sem que nada o pudesse prever, ontem decidiste que era hora de nos vires conhecer para meu alívio e nossa alegria!

Eu sabia que os segundos eram mais rápidos mas não contava com isto: contracções a começarem lentas perto da uma da manhã, a deixarem-me de rastos perto das quatro, a bolsa de águas que pude sentir rebentar. Fomos os três (tu ainda na minha barriga) ensonados e cansados para o hospital. O teu pai tinha instruções para não falar comigo, o teu irmão foi percebendo pelo caminho. Foram os dez minutos mais longos da minha vida, já perdida na dimensão infinita da dor que não podemos controlar, só esperar que passe. No hospital, o silêncio e a penumbra, nenhuma sala de parto ocupada sem ser a nossa. As parteiras ajudaram-me como podiam a libertar-me da roupa e a fazer as primeiras medições. Dilatação mais que suficiente quando entrei às 4:50 da madrugada. Ao teu pai e o teu irmão foi pedido que voltassem para casa: seria um parto curto mas não se sabia exactamente quão curto. Eles despediram-se e voltaram.

Uma das parteiras informa-me que sem análises de sangue recentes não podia passar já à epidural e que teria de esperar pela toma de sangue que acabara de me fazer. Provavelmente não ia ter tempo, disse ela. Não pode ser, rugi eu como um animal acossado, um rugido que subiu do mais primitivo de mim, ao mesmo tempo que lhe tentava explicar em Francês que não, eu não ia conseguir sem anestesia. De súbito, a vontade de fazer força, a qual foi incentivada por ela com todo o entusiasmo, ciente de que não teria tempo para mais nada. Um, dois, três puxões e nasces tu, Amália, frágil e de pulmão aberto, talvez assustada com a velocidade das coisas. Eu sem acreditar que tinha conseguido, a parteira a assegurar-me que sim e a dizer-me Olhe-a aqui, olhe-a aqui, mãe corajosa! Afinal, tu estavas mesmo lá.

Revejo tudo o resto, todas as horas que nos trouxeram até aqui debaixo de um véu incrível de tranquilidade e muito silêncio. Como um bebé normal, alternas os sonos curtos com a fome e com a falta que te faz o útero aconchegado e quente da mãe. És tão mais pequena que o teu irmão, que não arredou pé de ti quando te veio conhecer. Chorou quando te ouviu chorar pela primeira vez, por pura empatia e algum desespero inocente de quem ouve o bebé chorar pela primeira vez. Ele adora-te e eu não podia ficar mais contente com essa reacção, que - quero acreditar- ajudámos a preparar. O teu pai adora-te também, ainda mais por vires refazer o nosso equilíbrio e por ter alguém que o vai seguir com paixão.

E nós? Bem, a nossa história já vai longa. Eu fui o teu colo desde o dia um e continuarei a sê-lo até que possa. Aliviada pela gravidez ter finalmente chegado ao fim, resta-me apenas decorar todos os teus pormenores e maravilhar-me uma vez mais com a lotaria que é criar um ser humano que é (aparentemente e até agora) perfeitinho. Aceito-te como o nosso segundo milagre, agradecendo à Natureza a tua chegada espontânea, natural e livre de ansiedade. Que as aventuras a quatro comecem de seguida!


11 comentários:

Ana disse...

Parabéns M! Cá continuarei a acompanhar as aventuras da família :)

Sara disse...

"(...)Tipo, daqui a três ou quatro horas. E de preferência bem depressa, que seguir instruções durante o parto numa língua estrangeira não deve ser pêra doce(...)"

Quem não pede, não ouve Deus! ahhaha
Parabéns Amália, M&M e V!

Beijos grandes!

Anónimo disse...

Muitos parabens e muitas felicidades!

Mariana B disse...

Parabéns e muitas felicidades!

Amigo Imaginário disse...

Parabéns a ambas! Que a Amália seja uma menina muito feliz! :)

Helena Barreta disse...

Muitos parabéns. Que sejam muito felizes.

Miss Christie disse...

Parabéns! Vão ser aventuras maravilhosas! Tudo de bom.

Blanche Cérise disse...

Querida M., raramente comento mas leio sempre o que escreves com admiração e acabo por sentir muita identificação em várias das situações que descreves.
Neste momento também estou grávida e se já me sinto tão cansada aos 6 meses, imagino daqui a 2 meses em que estarei a mudar de casa e a preparar a chegada do bebé!
Muitos, muitos parabéns pela chegada de mais um membro da vossa família e tudo a correr pelo melhor!

Beijinhos

Katy disse...

Parabens! ha tanto tempo que nao te vinha fazer uma visita e agora que regresso já são 4 :-) bem vinda Amália (que nome maravilhoso!). Parabéns e muitas felicidades!

A minha sobrinha Laura nasceu dia 24 de Fevereiro, se vivessem perto quase que podiam ser amigas :-)

ana disse...

Muitos parabéns! E que bom que correu tudo bem! A Amália tem uma nome lindo! beijinhos e felicidades! :)

M. disse...

Obrigada obrigada :)

Mãe e filha agradecem os vossos simpáticos votos. Estamos naquela fase boa do namoro, mesmo com todos os obstáculos e provas de fogo :)

Beijinhos a todas!