agosto 31, 2010

Reality check

Isto estava tudo muito bem até ontem. Andei a ver uns vídeos online, já consumi toda a literatura sobre o tema que consigo absorver mas ontem visitámos o bloco de partos e a unidade de cuidados ao recém nascido e bum!, caiu-me a realidade em cima: eu vou experimentar as agonias do parto! É um lugar comum falar da desconfortável luz branca do bloco de partos e das perneiras que nos supõem deitadas durante horas e da maquinaria meio assustadora para os bebés que precisam de ajuda - eu não fujo à regra. E é óbvio que já ouvi as cinquenta mil histórias de partos da praxe, cuja maior parte descai para umas dezasseis horas de sofrimento, anestesias que não pegaram, cesarianas de urgência e outros detalhes igualmente sórdidos para quem vai ser mãe. Mesmo assim, tenho esperança porque ainda ouvi quem demorasse um par de horas na marquesa, quem dispensasse calmamente a anestesia e quem tivesse a sorte de ter o trabalho de parto ideal.

Até ontem, a minha ideia do parto estava ao mesmo nível duma curta metragem: eu era uma actriz a tentar absorver as experiências de mães verdadeiras, acumulando informação e conhecimento e métodos naturais de alívio da dor para melhor desempenhar um papel. Aquela sala de partos é que quebrou este feitiço e agora, de repente, vou ser a estrela disto e sei lá se estou preparada. O meu maior medo é desistir a meio, exausta ou impotente para ajudar o Vicente a chegar. Só a inevitabilidade do parto é que me descansa mais: ele vai ter que sair, one way or the other. Até lá, vou ficando atenta e se virem por aí uma moça aflita sem saber se o que sente são os primeiros sinais de parto, abanem-me - devo ser eu!

6 comentários:

sophie disse...

Que seja uma hora muito pequenina e que o Vicente vos traga muitas alegrias... :)

Rita disse...

isso de desistir a meio nao acontece. eu, que sou a maior medronça do mundo, que tenho ataques de panico ás vezes, pensei que a minha hora iria ser assustadora, nem estava preparada, mas sabes? foi tão rapido e mesmo sem efeito da epidural, indolor, que eu ate gostei do dia. E nunca desistimos a meio...nunca. A vontade de termos os nossos filhos nos braços é tanta, que nunca desistimos.
Boa sorte! *

Helena Barreta disse...

No dia do parto, está tão perto o encontro do nosso amor maior que nada, mas mesmo nada nos incomoda mais do que a espera para o ter nos braços, o beijar, acariciar, cheirar, olha-lo nos olhos e confirmarmos aquilo que já sabíamos há muito, estamos apaixonados e o amor pelo nosso pequeno bebé é avassalador.

Nem todos os partos demoram horas e horas e nem todos são terríveis e assustadores. O meu, por exemplo, foi rápido e com a ajuda da epidural não foi doloroso.

Desejo-lhe uma hora pequenina, o Vicente, de certo, vai ajudar para que esse momento seja agradável.

Beijinhos

Catarina disse...

Confia nas pessoas que te vão rodear.
Médicos,enfermeiros, auxiliares e pai da criança. Todos são importantes, todos estão ali para te ajudar e à excepção do pai, provavelmente sabem mais do que tu sobre o assunto.

Confia, mas não cegamente. Como disseste e bem, ali vais ser tu a estrela (apenas e só até nascer o Vicente), portanto, também não te cales, diz o que te incomoda e o que pretendes para ti.

Confia, acima de tudo, em ti mesma. Com medo ou não, preparada ou não, estás quase a fazer nascer um bebé.
O teu corpo está preparado para isso, acredita que sim.

Ouvir a experiência de outros tem vantagens e desvantagens. Eu acho que, por diversas razões, biológicas até, a experiência mais importante que poderemos absorver é a da nossa própria mãe.

P. disse...

olha que desistires a meio era uma ideia esperta... -.-

*

Madalena disse...

eláaaaaa

pareçe que andaste no curso de preparação errado...

O meu parto foi um dia inesquecível (para o bom!!) e que se queres mm que te diga gostava de repetir. É uma adrenalina inexplicavel e se tiveres bem preparada e tranquila corre ás 1000 maravilhas!

Eu começei com contracções pelas 22h da noite sempre suportaveis- aproveitei para passear á noite e andei, andei, pra ver se acelarava!

Ás 5 da manha estavam de 5 em 5 e fomos pra maternidade, onde assim que entrei as águas rebentaram!

Tudo tranquilo fomos para o quarto onde depois de verificar que ja tinha 3 de dilatação e de darem a epidural adormeci por um par de horas

Pelas 13:30 a epidural deixou de fazer efeito, fiquei um pouco aflita mas com ajuda do F. e das enfermeiras lá começei a fazer força...

ás 14:05 a Laura chorava e eu também!!!