fevereiro 03, 2010

Ano (já não muito) novo, vida nova!

Chegou finalmente o dia em que apenas uma mesa de cabeceira deixou de chegar. A minha roupa foi cuidadosamente escrutinada, de forma a poder ser dada ou deitada fora, dependendo do seu estado. A arrumação já começou mas não chegou ainda ao armário dos cremes e outras tralhas exclusivamente femininas. É preciso abrir espaço para a roupa dele, para que se possa instalar e sentir que esta é também a sua casa. Algumas das minhas coisas vão recambiadas para Portalegre, para o armazém em que se tornou o meu quarto.

Não preciso dizer como me sinto feliz. Também seria uma redundância explicar porque é que, aos trinta, uma relação à distância deixa de fazer muito sentido. Mas nós tivemos paciência, muita paciência para enfrentar todas as incertezas e recusas e respostas que nunca chegaram e o extremo desconforto de estarmos separados por duzentos e doze quilómetros de distância. Nós só não gastámos fortunas em chamadas telefónicas porque somos da época do fale tudo o que puder por meia dúzia de cêntimos e temos a Internet mas tenho a sensação de que, caso pertencêssemos a outro tempo, teríamos antes gasto fortunas em selos. Sobrevivemos a horários trocados, a jantares sozinhos, a noitadas separadas, a férias que nunca passaram de planos. Não foi uma eternidade, eu sei. Mas conheço pouca gente que esteja disposta a lutar mesmo por aquilo que quer.

Estando longe dos sessenta anos mas sentido que a sabedoria começa agora a brotar, eu digo: os amores não nascem perfeitos. É preciso muito esforço e noites em que duvidamos muito das nossas capacidades e sermos mais ouvidos que boca. É preciso exigirmos e pedirmos - é preciso falar. E quando se encontra a pessoa com quem as nossas palavras deixam de ser tímidas, então sabe-se. E até pode ser que esta sorte nos caia no colo, sem precisarmos procurar muito. Mas aproveitar essa sorte... isso são outros quinhentos. A mim apareceu-me sem avisar e eu aqui estou, a arregaçar as mangas para a nova vida que aí vem. Ainda não tenho livro de instruções para o que vem aí a seguir mas estou feliz. A minha nova família começa a construir-se Segunda-feira.

9 comentários:

locusapien disse...

<3 <3 <3 <3 <3

verdeervilha disse...

até me deste esperança

:)

Joana Real disse...

:):):):):):):):):):):):)

v. disse...

Que boa noticia! Boa sorte para a nova vida :)

Lebasiana disse...

fizerm muito bem! não gosto de relações à distancia... por isso vou ter com o meu amor a outro continente, no verao!

jocas

ana cila disse...

You come to love not by finding the perfect person, 
but by seeing an imperfect person perfectly.

cosmonauta disse...

A Lapa está em alta ;)

Eurico Ricardo disse...

Não vou logicamente esconder que sinto uma ponta de inveja por ti [porque obviamente sou um grandessíssimo cabrãozeco]sem, primeiramente, reconhecer que o meu coração palpita de alegria por uma pré-mutação no teu "Estado Civil".
Há muito de "into the Wild" neste post: A verdadeira felicidade tem que ser partilhada. Ou algo do género. Coisa que eu não acredito. Como é evidente.

Xana disse...

Fico tão feliz... por ti, mesmo sem te conhecer. E tambem pela esperança que cresceu, so com as tuas palavras... =) Tem dias que isto nao é mesmo nada facil.. =)