setembro 08, 2006

Amanhã é dia de festa de despedida do Verão. Não sei exactamente quem se lembrou da ideia mas parece-me excelente! O plano é uma tarde/noite/madrugada na quinta da Broa (e não, não estou a inventar, a quinta chama-se mesmo assim...) com muita comida, grades de minis, calor e um tanque à mistura. Fazia-me falta uma coisa assim. Primeiro, porque estou cansada do trabalho. E depois porque me deu que pensar e percebi que há um ciclo que se vai fechar agora.

Este Verão foi (é) demasiado importante para mim. Foi o Verão em que comecei a trabalhar a sério, com condições a sério e uma equipa motivante. Foi um Verão de me apaixonar e des-apaixonar, não muitas vezes mas intensamente; de sentir o alívio do esquecimento e o alvoroço das borboletas do título; de sentir que me levantei outra vez e de sentir também que posso cair a qualquer momento; de acabar com os porquês? e começar com os porque não?. Foi um Verão com gente nova na minha vida: gente fresca e entusiasmante, gente bonita e gente muito chata, gente tranquila e gente sem paciência nenhuma - gente que deixou de ser gente para passar a ser amigo ou amiga, pessoas com quem gosto de estar, de quem sinto saudades. Foi mais um Verão sem praia e desta vez também sem piscina. Foram só três as vezes que me pude estender ao Sol - lembrem-me para não começar mais empregos no Verão. Foi um Verão em que fui dona duma casa e em que o deixei de ser, assim mesmo, para mal da minha imaginação e necessidade de espaço. Foi um Verão sem os meus amigos de sempre. Fomos enganados pelo tempo ou pela maturidade e agora andamos desencontrados.

Mas não há problema: enfio o biquini à pressa na mochila com a roupa, enquanto acabo o pequeno almoço. Aproveito que o departamento está a meio gás e trabalho com mais tempo. Distraio-me na hora de almoço no centro comercial, a fazer contas ao dinheiro que não posso gastar. Conduzo durante quase três horas, com o som no máximo, cantando também no máximo, sentindo os mosquitos a baterem no meu braço. Chego a casa e vou ver os avós, a visita de médico, estás melhor?, essa perna?, olha trouxe roupa para lavar. Pego no carro, passo pelo Boletim Metereológico, olho para a cidade, subo ainda mais e chego à Broa. Vocês estão lá, debaixo da videira, em volta do tanque. Eu buzino três ou quatro vezes, vocês acenam e estaciono. Saio cansada e suada da viagem, vai apetecer-me muito uma mini. Estendem-me uma, bem fresca e eu dou um golo longo. Olho para a serra e lembro-me quando ardia e as cinzas nos caiam nos corpos queimados. Sento-me numa cadeira da pesca, vocês continuam a discussão animada e inútil que estavam a ter e eu cheguei finalmente a casa.

3 comentários:

pita disse...

vai ser bom, mita! :D sim??

(L)

Madeline disse...

Bolas.. até eu fiquei cansada! :D

Mas feliz! *

Anónimo disse...

e nós cá estaremos à tua espera.
TT