dezembro 28, 2006

Casa (fazemos de conta)




Às vezes esqueço-me de como é bom voltar.

(Combinar tudo à pressa. Sair para as noites geladas sem saber muito bem onde aterrar. Lanchar na véspera de Natal, perto da fonte. Falar de coisas sérias como quem está a brincar. Não falar do que se deve falar. Chegar a casa a cheirar ao fumo dos vossos cigarros. Sair só porque sim. Enfiar-me na cama às cinco da manhã de uma terça-feira. Entrar em todas as capelinhas para tentar fingir que ainda não são horas. Levar a casa os que precisam. Deixar para trás o que ainda se aguentam. Escrever um pedaço de música popular. Descansar e distrair a minha cabeça nesse vosso ombro colectivo. Se não voltarmos hoje, voltaremos amanhã.)

Fotos autoria [T]

2 comentários:

Anónimo disse...

foi uma grande noite sem ninguem esperar. adorei!!
beijos

TT

joana disse...

è verdade, ás vezes as melhores noites são aquelas em que não há espectativa nenhuma (marisa só para ti escrevi esta palavra com c)e TT guarda as quadras para um dia mais tarde recordar.