junho 11, 2007

Tacones Lejanos *

Eu olho e (re) olho para eles e respiro fundo. O casamento está quase aí à porta e eu ando a contar os dias que faltam não exactamente para o casamento, mas para o dia em que vou ter que andar encavalitada neles.

As compras foram relativamente pacíficas. Os meus pais deram-me uma mãozinha (sempre suspeita, porque eles acham que eu fico bem em qualquer trapo e de qualquer chanato) e fomos até Badajoz espreitar as modas. Como eu previa, comprei o vestido na primeira loja onde entrámos, em grande parte resultado da simpatia e da capacidade da vendedora em dar graxa descaradamente. Que sim, que aquele modelo me ficava bem, que sou nova e devia andar mais atrevida, que a cor me assentava lindamente. Esta enxurrada de elogios misturada com o efeito que a língua espanhola tem em mim nem me deixaram hesitar.

Mas o vestido é uma coisa. Outra coisa totalmente diferente é conseguir manter uma postura minimamente digna em cima destes saltos, tentando parecer (no mínimo também) normal. Já nem sequer falo do meu papel de madrinha, que (protocolo oblige) me obriga a estar deslumbrante. Manter uma postura erecta já será uma vitória gostosa. Entretanto, enfio os sapatos rasos num saquinho para poder dar cabo daquela pista de dança. Ah pois, que não serão uns saltos altos a estragar-me a festa.

* um belo filme do señor Almodóvar.

3 comentários:

Joana Real disse...

Não concordo...se é com esses sapatos (que para mim mais parecem uma arma branca, uma vez que se caires deles podes ficar mal tratada) que vais à festa, deveria ser com eles que passavas toda a festa...e depois só Deus e tu saberão como estás no outro dia

pilufa disse...

"Os meus pais deram-me uma mãozinha"

claro q o facto d aqui a pilufa ter dormido somente 2 horas pa ter ido ajudar na escolha n cont pa nada.. es ma e feia :P

M disse...

Oh desculpa... :) Realmente devia ter dito 'os meus pais e a minha pilufa...'. Lhe amo (L)