abril 09, 2007

Já não preciso esconder-me?

Dr. Karev: For a kiss to be really good, you want it to mean something. You want it to be with someone you can't get out of your head, so that when your lips finally touch you feel it everywhere. A kiss so hot and so deep you never want to come up for air. You can't cheat your first kiss. Trust me, you don't want to. Cause when you find that right person for a first kiss, it's everything.

(um fim de semana inteirinho com chuva, muito frio e carradas de episódios de mais séries ainda por ver. uma incapacidade de não me relacionar/emocionar/sonhar com todos. umas mini-férias em que a ideia ar livre nunca existiu e a ideia noitada vai subsistir até hoje. quatro dias longe do trabalho a pensar onde vou descansar a cabeça nas férias que aí estão. dez minutos para inventar uma teoria sobre a forma como preenchemos o nosso coração. mais um momento de tristeza quando olho para a débil conta bancária. tentativa de escapar a uma menina que me quer conhecer à volta dum café. fuga das coisas importantes que me atravessam o caminho. deficiente digestão desta época a que chamaram Páscoa.)

6 comentários:

Pedro disse...

Mesmo que seja verdade que o entretenimento é uma droga/anestesiante há grande prazer nisso. Se calhar quem vive bem são as pessoas que escolhem bem os seus hobbies e que distraem o cerebro de forma sensata. Não sei.

Se calhar a felicidade está ao alcance de meia duzia de neurotoxicos, que matarão os neuronios que perdem tempo a pensar "na vida". Se calhar aquelas pessoas irritantes que dizem que "os ignorantes é que são felizes" tinham razão.

:) Eu cá gosto de ler o que escreves. Dá-me prazer sem me fazer sentir estupido.

Um beijo

Tiagão disse...

Lembro-me quando comecei a ver a Anatomia de Grey. Devia estar mais interessado em qualquer outra coisa, vi dez minutos e desisti. Ia vendo dois minutos aqui, um acolá e nada me prendia. Até que vi metade de um episódio uma noite, e um inteiro na outra.
Comprei a primeira série e devorei-a, o mesmo aconteceu com a segunda e já vi os primeiros 14 da 3ª, mas fico à espera dos dvds por cá.
Divertida, sincera, triste, humana, certeira, uma das minhas favoritas.

pilufa disse...

o meu vício preferido a seguir à OC (L)

Cromossoma X disse...

Já que não permites comentários acima, vou exprimir-me aqui.(Ainda bem que não percebo o teu post por completo...sinto uma raivinha enraízada...)

Então é assim Nita: preocupa-te mais com a tua consciencia do que com aquilo que os outros pensam. A tua consciencia é o que tu ÉS, e o que os outros pensam é problema deles!!
Força ai, só cá vem quem quer e quem GOSTA!!!
Não te conheço, mas um beijinho,

M disse...

Vamos por partes, então :)

Pedro: eu sou contra essa ideia de 'ignorance is a bliss' mas em algumas alturas já desejei que assim fosse. Não sei o que quer dizer 'escolher hobbies de forma sensata', por isso acho que os escolhemos à nossa medida. E sim, ultimamente os meus têm sido maioritariamente televisivo-estimulantes (inventar palavras é bom!). Se isso me traz felicidade, isso já são outros quinhentos...

E obrigada pelo elogio. Likewise. *

Tiagão: Ora aí está a surpresa - um homem que gosta muito desta série. Fiquei sempre com a ideia [atenção, cliché] de que era uma série de gajas. E sim, é do mais triste que há. A forma como aquelas pessoas todas não passam os episódios a beijar-se deixa-me deprimida :)

Pita: muah muah (L) Seth Cohen rules!

Sónia: obrigada pelas tuas palavras. Pode não parecer mas não me interessam muito as ideias dos outros sobre mim. Quer dizer, interessam mas apenas na medida suficiente :) Aquilo ali de cima é mais uma declaração de intenções, para que não haja dúvidas. Outro beijinho para ti

Madeline disse...

Olha, eu gosto de ti. :)