julho 26, 2006

Someone that cannot love


Não sou assim grande coisa a lidar com a dor. Ninguém é, claro está, mas eu só sei de mim. Acho que já a trato por tu, se bem que agora não tem aparecido por aqui - mérito meu, que me fecho em copas e à defesa tenho um jogo impecável. De uma vez, acompanhou-me durante três anos. E como esgota qualquer um com a sua companhia, deixei-me ficar deitada até não conseguir mais adormecer.


Mas reconheço à dor a maior das virtudes: levar-me direitinha de volta a casa e fazer-me crescer. Nunca me vou esquecer do abraço firme do meu pai, mesmo depois de lhe contar todas as mentiras em que vivia há anos. Aí partilhámo-la. A dor, claro. Também não esqueço a viagem que pai e mãe fizeram, de madrugada, para me recuperar, com medo que os abandonasse. Desta vez de vez.


Portanto, quando penso na dor, penso principalmente no número de vezes que ainda a vou sentir. Mais ou menos letal, mais ou menos desesperante, ela voltará. Mas eu acho que já não tenho medo. Só tenho que fechar o golpe outra vez. E outra. E outra. Até já não doer mais.


[mesmo que ela tenha adormecido em mim]

3 comentários:

Anónimo disse...

Here are some links that I believe will be interested

Anónimo disse...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

Anónimo disse...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»