março 10, 2008

Sobre ser consumidor (a)

Hoje aconteceram duas coisas estranhas.

Saí do trabalho e fui à Fnac para comprar uns cds (If Lucy Fell, Vicious Five e Lobster). Já há muito que tinha decidido que vale definitivamente a pena comprar cds de bandas portuguesas, ainda mais quando são cheias de talento e me oferecem novidade como estas. Sabia que podia comprar na net mas preferi ter logo o cd na mão. Qual não é o meu espanto quando, depois de insistentemente verificar todos os expositores, descubro que nenhum destes cds é vendido lá! Não estavam expostos nas novidades e também não faziam parte da selecção de música portuguesa nem dos autores ordenados por ordem alfabética. É bizarro: em vez de novos talentos, nos expositores estão as colectâneas dos Morangos blá blá blá ou outras cuidadosamente preparadas para fazer render o catálogo das editoras. Não sei, como é óbvio, se é a loja a virar as costas às bandas nacionais ou se a distribuição marginal da música é uma opção destas últimas (que normalmente vendem cds nos concertos e têm distribuição online). Mas, que não me parece boa política, não parece.

E depois cheguei a casa e tinha correio... Da DECO. Esta associação de apoio ao consumidor convida-me, nesta missiva, a fazer parte dos seus sócios e a beneficiar de uma série de ofertas. Mas as perguntas dispararam de imediato: como é que a DECO sabe que eu moro aqui? De que forma escolhe os potenciais clientes? Que entidade divulgou os meus dados a terceiros e com que autorização? Este negócio de venda de dados pessoais é um bocado assustador mas é ainda pior quando quem supostamente nos devia defender se faz valer dele para angariar clientes...

Portugal é um lugar estranho.

3 comentários:

Polliejean disse...

Há uns tempos a Fnac nem tinha Andrew Bird, quanto mais Vicious Five...
Quanto ao facto de a DECO saber onde tu moras, desde que morei na Alemanha, já nada me espanta ;)

Rebocho disse...

Obviamente que sabem onde moras... Estás dentro do sistema (tens uma casa - crédito bancário com todos os teus dados, tens contas para pagar - todos os teus dados, e etc.)
No entanto em Portugal (aliás em todo o lado) existe uma coisinha chamada lista Robinson. Esta lista é uma lista de oposição, uma lista onde constam todas as pessoas que pediram para ser excluidas das bases de dados comerciais. O que tens a fazer é simplesmente dirigir-te à página da associação de marketing directo (www.amd.pt) e procura lá pelas listas de oposição e tens a informação toda sobre como terás que proceder para te excluirem.
ah... mas prepara-te... nos meses (sim meses) que antecipam a tua inclusão nessa lista serás completamente inundada por cenas inúteis que toda a gente e mais alguma te irá tentar vender (para além de saberem a tua morada também sabem quem pede para entrar para a lista robinson, infelizmente).

(se isto fosse um fórum esta informação deveria ser um sticky)

até que valeu a pena ter andado estes anos todos a estudar marketing não?

beijo

M. disse...

Ex-vizinho, tu estás completamente ! Não fazia ideia que existia essa lista mas parece-me uma boa ideia.

Eu sei que estou dentro do sistema mas, ingénua como sou, ainda acho que o banco não tem nada que divulgar os meus dados. Nem o banco nem ninguém.

Quero evitar o que me aconteceu no outro dia. Contactada por alguém do Barclays que me queria impingir um cartão de crédito, fui tratada como uma anormal quando disse que não tinha nenhum interesse nisso. Bah.

(E sim, claro que valeu a pena!)