abril 27, 2008

A Naifa

Todo o amor do Mundo não foi suficiente
Porque o amor não vale de nada

Não há remédio. Não consigo parar de olhar fascinada para ela assim que as luzes se acendem. Tem um aspecto frágil mas parece que traz dentro toda a experiência do Mundo. A voz quente canta sobre desgostos de amor, sobre vulnerabilidade, sobre segredos que não se dizem em voz alta. Quando ouço as músicas mais antigas, o conforto é quase físico. Sinto-me desprotegida quando ela fecha os olhos e afasta o microfone da boca. Ela sorri timidamente, como a adolescente que às vezes eu também sou. Os rapazes também merecem a atenção mas é na voz dela que fico pendurada, em constante tentativa de antecipação da dor. É profundamente comovente, esta Maria Antónia. E a música desarma-me com demasiada facilidade, não consigo defender-me. Quando ouço a dor de todas as mulheres que se escondem naquela voz, desisto e deixo que as lágrimas me marejem os olhos. Não o suficiente para caírem - só para o olhar ficar vidrado e inundado por esta espécie boa de tristeza.

(e a tristeza que aumenta quando parece que vejo uma cara conhecida passear-se no piso de cima. ele é igual a ti, parece que os gestos se repetem também: a maneira como leva a cerveja à boca ou como pega no cigarro. de repente, é como se não estivesses a quilómetros de distância mas aqui e tivesses esquecido depressa. já esqueceste, eu sei, mas estavas ali e eu só queria cheirar-te o perfume outra vez. silencio a vontade de te passar as mãos pelos cabelos, fecho os olhos e faço-te voltar para onde realmente estás. impossivelmente longe.)

4 comentários:

jC disse...

é espantoso este admirável mundo novo de possibilidades e reencontros que a internet promove.
no blog da naifa, cada vez que há um concerto, o post relativo a esse dia trás uma foto e pequenos trechos de opiniões com o respectivo link para a página onde estão expostas.
até hoje não tinha seguido nenhuma dessas ligações. hoje segui e apareces-me tu!
a tua opinião sobre aquilo que se sente quando eles tocam é parecida com a minha. este novo álbum é uma confirmação, mas há músicas nos anteriores obrigatórias e de um poder espantoso.

só vou ver este ao vivo daqui a duas semanas, mas a julgar pela experiência do ano passado nas ruínas da ammaia, não haverá grandes possibilidades das expectativas saírem goradas.

Mónica disse...

Lindo este post.
Tens uma escrita extremamente sensível. Adoro mesmo :D

Maria* disse...

UAU , nunca pensei vir a ler um texto destes.
Absolutamente lindo e consegue pôr as lágrimas de qualquer um nos olhos .
Ao ler o que estava entre os parênteses, emocionei-me de felicidade, por saber que escrever esse texto marivilhoso.
Se for dirigido ao João, parabéns, pois está tal e qual a cara dele .
Acho que está exactamente como ele era , como ele mostrava as coisas .
Não tenho palavras para descrever este texto lindíssimo.
Muitos parabéns pela escrita :)

MaSt3rOfPuPp3tS disse...

Tal como eu, a Mitó também gostou desse sentimento traduzido por palavras.

Continua sem sono :)