outubro 07, 2008

Sete-músicas-sete

Um desafio da Maria del Sol: escolher sete músicas que ilustrem algum momento das nossas vidas. Escusado será falar nos milhares que ficaram de fora, no difícil que foi escolher. Mas foi o melhor que se conseguiu arranjar. Nem os todos os videos são originais mas o que interessa é a música. Essa é maior do que tudo.

Jeff Buckley.Vancouver. O meu grande amor (musical). O homem que nunca poderei ver, o homem com quem já sonhei. Afogando-se com trinta e poucos anos, cantava desta maneira sobre o amor. Era de certeza o grande amor de alguém, impossível de esquecer, impossível de não amar mais e mais todos os dias.

dEUS. Roses. A melhor tarde que me lembro de ter passado. Era Verão e as persianas estavam baixas para não deixar entrar o calor. Não havia lençóis na cama e não se ouvia nada no corredor. Estava a rodar este cd na aparelhagem e era como se não existisse mais nada. Havia poucas palavras entre nós os dois mas muitas coisas se diziam em silêncio. Ou com as mãos. Nunca me consegui esquecer.
Pearl Jam. Rearview Mirror. Porque nem só de doçura se faz o caminho. As memórias estão enterradas num sítio seguro, onde só mexo deliberadamente. O trabalho que me deu a guardá-las, a transformá-las em algo bom... Era uma cassete original, a fita gasta no lado b, exactamente quando ele dizia i gather speed from you fucking with me.

Air. Talisman. Sonhei demasiadas vezes enquanto ouvia esta música. Sonhei por escadarias de Lisboa, sextos andares nos subúrbios, com candeeiros de lava que nunca acenderam. Sonhei dentro dum carro, as borboletas cada vez mais intensas e sonhei que o impossível se podia tornar em verdade. E falhei.

Carly Comando. Everyday. Mostraram-me isto há pouco tempo (obrigada outra vez!) e não consigo parar de ouvir. Sou fácil demais, ouço meia dúzia de segundos e já estou noutro sítio qualquer, vejo a minha vida a passar-me em frente aos olhos a toda a velocidade, tento remendar os erros.

Sufjan Stevens. To be alone with you. Este homem não existe. Com ele, deixam também de existir esta candura, esta voz doce que planeia cantar todos os estados americanos, esta placidez que quase se ouve. É música que vem de algum sítio puro, intocado.

Linda Martini. A severa. Porque poucas vezes senti que o que queria dizer não estava nas palavras, mas sim neste crescendo de ruído, nesta sobreposição de guitarras, nesta impenetrável muralha de som. Quase sofro a vê-los porque me sinto sempre despida.

Gostava de ouvir o que têm a dizer a Ervilha, o Lobistico, o JC, o Vitor Hugo, o Indigente Andrajoso, o A.S. e a Luísa Cê. All done.

10 comentários:

Maria del Sol disse...

Obrigada por teres entrado no jogo :)

Assim que vi as tuas escolhas senti a frustração do limite de sete canções me ter impedido de incluir o Jeff e o Sufjan. Também me tatuaram as recordações, mas não seria absolutamente honesta se não tivesse feito as escolhas que estão no meu blog.

A.S. disse...

a ver se ainda hoje trato da matéria em causa.

obrigado!

verdeervilha disse...

eh pah... ai... só sete? ok, mas aviso que vai demorar...
:)

Anónimo disse...

Jeff Buckley, sem duvida a melhor voz que alguma vez ouvi... Poderosa! Kiss me, please kiss me...

K. disse...

Ui... escolher as melhores sete é tortura chinesa para mim. Bem, acho que em dois músicos/grupos coincidia contigo.

Vitor Hugo Azevedo disse...

working on it. :)

thanks.

*

curse of millhaven disse...

grandes escolhas. a vida é maravilhosa quando se tem a banda sonora, mesmo os momentos mais amargos. há sempre a TAL musica para o TAL momento.

Luísa Cê disse...

Demorou mas foi :)

indigente andrajoso disse...

ola,

vou compilar...

;)

jc disse...

damn it!
como é que reúno todos os fados da amália, da hermínia e da lucília em sete exemplos apenas?

vou demorar.

ah, como dizia a last.fm, não temos compatibilidade. dos que aí puseste uma boa parte nem sei quem são.