fevereiro 14, 2008

De p*** madre!

Outras fotos aqui --->Flickr!

Regressar é... triste, acho eu. Vim de Barcelona completamente apaixonada pela cidade, fascinada pela gente e pela quantidade de sítios bonitos para ver, cheia de recordações e de segredos. Fiquei instalada mesmo no centro, no bairro do Raval, numa perpendicular às Ramblas. É uma espécie de Kreuzberg de Barcelona (para quem não sabe, Kreuzberg é um bairro multi-étnico de Berlim), cheia de lojas abertas todo o dia e toda a noite, gente limpa e gente suja, prostitutas e velhinhos curvados.

Era o quarto andar com as escadas mais impossíveis do mundo e nenhum elevador. A casa era partilhada com três portugueses e uma italiana. Durante estes dias, entrou e saiu gente de todo o lado do Mundo naquela casa (não me esqueço da chinesa que nasceu na Alemanha ou da chilena calada). Passei grande parte do tempo sozinha: andei tanto mas tanto que acho que trouxe uma lesão no calcanhar esquerdo. Visitei tudo sem mapa, só guiada pelo instinto e pelas plantas nas estações de metro. Tinha apontado tudo o que queria ver no Moleskine e sabia que, mais cedo ou mais tarde, ia conseguir ver tudo. O que eu não sabia é que Barcelona é uma cidade para se viver e não só para se visitar.

Levaram-me a comer tapas e a beber claras no Lalola, enquanto velhas comiam churros e bebiam chocolate quente ao jantar. Perdi-me no Bairro Gótico, no Born e na Gràcia, sozinha e com guia. Bebi vinho num bar com luzes quentes onde podíamos estar deitados, passei o final do dia sentada na areia fria e húmida da Barceloneta. Bebi uma cerveja num bar cheio de gente cheia de droga, a decoração era a de uma boite decadente e a música era soul da boa.

Que cidade... Ou isso ou eu sou uma tonta que não resiste às vozes roucas do flamenco e à gente de todo o lado misturada nas ruas cheias de mais gente de todo o lado e ao catalão que, mesmo seco e difícil, me conquistou o ouvido. E uma tonta que também não resiste às portadas de madeira em todas as janelas e ao horário da siesta e às ruas escuras e estreitas. Regressei mas [clichè] deixei lá um pedaço de mim. Mas eu volto, em breve eu volto. ¡ Y olé!

PS: miúda, não voltei mais cedo por causa do jet lag!

4 comentários:

Madeline disse...

Ah, pois é... não é à toa que eu estou de malas (quase) feitas.
Vou e não volto tão cedo! :D

quem? disse...

Eu só não me mudo para essa cidade por ser, quanto a mim demasiado turista...
mas que a paixão reacendeu com a tua descrição, reacendeu!

;)

benvinda

dezconhecido disse...

Barcelona é uma cidade mágica!

Também não posso esperar por lá voltar! *

formiga negra disse...

Como eu te percebo, tenho tantas saudades!
*S