maio 07, 2008

Post das Lamentações

O tratamento (cujo preço quase me garantia uma apoplexia em plena farmácia e me arrancou uma nervosa gargalhada quando a farmacêutica me perguntou Mais alguma coisa?, sendo que a minha vontade era responder Sim, já agora aproveite e leve mesmo tudo o que me resta...) começou na segunda-feira, para que me consiga orientar facilmente. Eu, que sou um bocado distraída, dou por mim a ser muito metódica e organizada com os comprimidos e os cinquenta cremes (vá, cinco, mas que têm que ser usados por ordem ou o balúrdio que me custaram não vai definitivamente compensar). Só ainda não consegui decorar mesmo a sequência mas acho que dezasseis dias de antibióticos mais vinte de vitaminas (vezes dois, que isto quando se faz é a sério) se vão encarregar de a inscrever na minha cabeça.

Então, além de andar sempre com a cara muito cremosa, há o antibiótico. Que é muito fácil de tomar depois de jantar mas que significa que não há álcool para ninguém. Por isso, não é assim muito giro quando se marca um jogo de cartas em casa de amigos, chegam oito pessoas e há aperitivos espalhados pelas mesas e me perguntam O que é que bebes?, ao que eu respondo... Sumo? Tens? e a pessoa me atira um Ora, deixa-te de coisas... Uma mini? e eu me vejo forçada a repetir, envergonhada, ... um sumo?. Isto de beber é muito social, é para fazer companhia e eu ontem não fiz grande companhia à malta do Carolands nem do Porto Ferreira e muito menos do whisky. Se calhar posso explicar a minha derrota em dois jogos de King assim, calha bem.

A juntar a isto tudo, já o suficiente para me deixar nervosa, acontece que resolvi andar muito. Deixei o autocarro de lado e passei a andar só de metro, o que me obriga a uma caminhada bem mais longa até à estação do Rato. De manhã, nem preciso dizer o agradável que é atravessar o jardim da Estrela pela fresca, ainda só frequentado pela malta que corre no circuito e um ou dois velhotes. Mas, com esta temperatura meio tropical e a chuva que cai-ora-não-cai, o regresso à tarde é sempre demasiado suado para esta altura do ano. Depois, chego a casa e faço umas séries de abdominais mesmo antes de me enfiar no banho. Não sei se já está a dar resultado mas faz-me sofrer um bocado. Isso já deve ser bom sinal. Ai.

7 comentários:

curse of millhaven disse...

:) vá, coragem!! isso de seguir tratamentos é sempre chatinho, tb eu tive de andar a antibiotico um mês, acabei há pouco tempo, por causa da merda do acne que teima em carregar ao 22 anos (!!!).

e agr vivo apavorada que volte. qd vejo uma borbulha ou outra (sim, pq já andam p aqui, q eu bem as vejo) o meu pensamento é: O QUE É QUE EU FAÇO!?!??!?! OH MEU DEUS!!!

...

tudo o que é creme aparentemente não faz nda. bah.

Rik disse...

hmmm vejamos... sim beber é social, mas NÃO acredito que tenhas perdido os jogos de King por causa disso :P hahahaha

jC disse...

"Deixei o autocarro de lado e passei a andar só de metro, o que me obriga a uma caminhada bem mais longa até à estação do Rato. De manhã, nem preciso dizer o agradável que é atravessar o jardim da Estrela pela fresca, ainda só frequentado pela malta que corre no circuito e um ou dois velhotes."

isto é a justificação de porque é que lisboa é a cidade perfeita.

P disse...

tchotchadjinha djela!

** (L)

M. disse...

Ahaha curse... Eu só tenho mais seis-anos-seis que tu e um caso de acne vulgar. Por isso, não te queixes :P

Rik, não percebo o que queres dizer com isso... O_o la la la

JotaCê, tu tás lá. Onde é que moras aqui? Podíamos ser vizinhos e não saber!

P, snif. (L)

jC disse...

estou de licença.
estou a cumprir um contrato de trabalho algures no meio do mato a este de aveiro

Nojento disse...

Muito cuidado com os sorrisos rasgados...

:P