janeiro 15, 2009

Retrato de uma jovem mulher quando exausta

Obreira do milagre da distribuição das tarefas. Improvável corredora no escuro dum jardim lisboeta. Princesa das onze horas de trabalho diárias. Procrastinadora indefectível. Timoneira de um departamento sem rumo. Amante incondicional da comida já feita. Inspiradora de querelas e destruidora de boatos. Rainha das lágrimas a horas tardias. Romântica incurável, raiando a patetice. Capaz de adormecer no próximo segundo.

5 comentários:

curse of millhaven disse...

olha lá, essa tb sou eu!!! :)

escreves bem, miúda, mesmo.

Joana disse...

Em relação ao cansaço tenho uma filosofia: quando estou que não me aguento mais, e quero mais (tipo sair com os amigos obvio), ou preciso de mais (de forças para trabalhar) penso...eh amanha é q vou dormir bue...obvio que isso não chega a acontecer, entao passo pro segundo pensamento...para quê desperdiçar os momentos (sejam eles quais foram) a dormir...depois quando já estou mesmo que não posso mais surge o terceiro pensamento...para quê esforçar me tanto se um dia tudo deixa de fazer sentido...o desespero

Vou dormir bjs

K. disse...

Nesse retrato entram também muitas coisas mais que és e nao deves esquecer nunca. :)

Anónimo disse...

tb és comadre de alguém :P

M. disse...

:)

Sou muitas coisas mais, é verdade. Comadre e tudo, do coração. Temos tanto tempo para dormir, eu sei...

(obrigada curse!)