setembro 21, 2008

As minhas noites * são mais belas que os meus dias

Não sei exactamente como o apago da memória em noites assim. De repente, corre tudo a uma velocidade que não esperava, as recordações são pequenas dores liquefeitas. Brinco com as palhinhas da caipirinha, encosto-me à parede grafitada mas já não espero. Já não quero nada. Desdobro-me em pequenas conversas, transformo as minhas tristezas em anedotas triviais, hoje é tudo possível. Enquanto suo, purgo. O suor cola-me a camisola ao corpo, o decote já não me perturba, a música foi feita a pensar em mim. Mas ainda o imagino a descer aquelas escadas, embriagado pela sua própria imagem, o ego em modo bomba relógio. Fixo o chão enquanto danço para me castigar e quando levanto a cabeça não consigo evitar sorrir. À noite acontecem coisas demais na minha cabeça.

*diferentes impressões da mesma noite aqui.

8 comentários:

Cromossoma X disse...

Ola!
sera que um dia vou perceber alguma coisa da tua vida? :)

P. disse...

lol

Pimp disse...

És mesmo uma dessas fotos... Sépia em alta velocidade...

M. disse...

Sonita, provavelmente não :)

Pimp, obrigada. Vou aceitar isso como um elogio :P

indigente andrajoso disse...

então mas as noites são para ser mesmo assim...

coisas demais para a nossa cabeça...

:)

K. disse...

Noites assim sao as que nao se esquecem. Como as do meu fim de semana de La Mercé. Saí de um concerto dos Primal Scream com vontade de escrever palavras como esta.

Maria del Sol disse...

Costuma-se dizer que a noite exacerba as emoções, tal como a luz eléctrica torna as cores garridas. Gostei das cores da tua noite :)

M. disse...

Concordo com vocês quando dizem que as noites devem ser assim... Especialmente quando menos se espera :)

E K., devias ter escrito essas palavras depois de La Mercé. Afinal, que palavras é que esperas que publiquem? :P